Garotas Makers V – Parte 1

//Garotas Makers V – Parte 1

Garotas Makers V – Parte 1

Olá pessoal! Não esperava que a série Garota Makers tivesse essa ótima repercussão e conhecesse tantas histórias legais de meninas que desenvolvem muitas coisas interessantes. Chegou a 5ª temporada, desta vez vamos conhecer uma menina que desenvolve wearables no mundo do Design e Moda, utilizando Arduino e Python!

Lucia Nobuyasu Guimarães tem 29 anos, natural de Santa Bárbara do Oeste, interior de São Paulo. Mora em Bauru – SP, Mestranda no PPGMIT (programa de Pós graduação em mídia e tecnologia em Unesp – Bauru) e Designer de Produto.

1

Figura 1 – Lucia Nobuyasu (Fonte: Arquivo Pessoal Lucia Nobuyasu)

Quem disse que Maker se refere somente à pessoas da área de Exatas, está redondamente enganado. Vimos algumas histórias, como a Rafaella Tolesani, que sempre esteve na Cultura Faça-você-mesmo e possui formação em Gestão Empresarial e Moda e Estilo. Se você não leu sobre a Rafaella, acesse o link aqui.

Perguntei a Lucia se houve alguma inspiração desde a infância. Ela disse que não teve nenhum tipo de contato com Tecnologia do tipo Faça-você-mesmo quando criança, mas sempre desenhou e inventava coisas que não existia.

Lucia não iniciou como Designer. Ela conta que cursou Designer de moda, 2 anos de Psicologia e decidiu ficar com a área de Design. Suas motivações são criar coisas novas: “…acho demais como a tecnologia pode ser usada pelas Humanas para criar peças artísticas, expressar melhor o que pensamos e sentimos”.

Seu projeto de Conclusão de Curso é o LUCEM, como ela mesmo relata: “…consiste em roupas recobertas de fio EL, cujo comportamento luminoso é controlado por um software que ajuda a sincronizar o tempo da música, coreografia e comportamento luminoso para criar efeitos visuais novos através de programação e microcontroladores”.

No início de seu trabalho, ela retrata um tópico bem interessante. Lucia explica o porquê da escolha do tema de seu TCC: “Quando comecei a pensar em fazer TCC, me deram o seguinte conselho: Escolha algo pelo qual você realmente tenha tesão em estudar pois vai se tornar cansativo a longo prazo. Por isto escolhi um tema híbrido. O híbrido é novo e às vezes não muito aceito pois ao transitar entre áreas distintas, acaba não sendo nem uma nem outra

[…] e por isso não tem nenhum compromisso em cumprir com as expectativas de suas áreas ‘progenitoras’”. O Híbrido relatado por Lucia refere-se em misturar Moda com Tecnologia.

Durante a graduação, Lucia conta que na escolha de tema de um seminário, seu grupo ficou com o tema Moda. A partir disto, ela conheceu nomes como Stelarc, Hussein Chalayan, Jun Nakao e Issey Miyake (PS: vale a pena conhecer estes nomes e seus trabalhos para design, moda e tecnologia). Após o término do seminário, Lucia não pesquisou sobre o assunto até assistir uma palestra pela Designer e Artista Rita Wu: “…até o dia em que o projeto SOMA trouxe para dar uma palestra a designer e artista Rita Wu. Ela falou de seu trabalho autoral, retomou algumas referências que havia visto em Plástica I e me falou a respeito do que havia de novo nesta área. Foi aí que me deu o estalo. Tirei do stand by aquelas informações do primeiro ano e retomei a pesquisa em vestíveis”.

2

Figura 2 – Obra de Hussein Chalayan exposta em Paris, em 2007 (Fonte: http://photos1.blogger.com/blogger/5574/3793/1600/chalayan%20futurista.jpg)

A partir disto, Lucia iniciou seu trabalho de Conclusão de curso, que tem como proposta: “…transpor as fronteiras entre a arte e tecnologia e demostrar a hibridização entre área é uma das chaves para o desenvolvimento do setor cultural”.

Lucia relata no desenvolvimento do seu trabalho sobre o Mundo Maker, onde nos fascinamos com um mundo virtual, porém estamos num mundo real, onde cita o livro Makers: A Terceira Revolução Industrial, do autor Chris Anderson: “É a comida que comemos, nossas casas, as roupas que vestimos, e os carros que dirigimos. Átomos, não bits”. Ela conseguiu se enxergar dentro desta categoria de Makers: “…não estamos falando somente de habilidades na frente de um computador. Uma pessoa que faz crochê é um Maker, assim como pessoas que gostam de fazer experiências culinárias, costurar roupas, pessoas que gostam de inventar, não importa se são meios analógicos ou digitais. O que me fez constatar que todo Designer é, por definição, Maker”.

Falando sobre o projeto LUCEM, Lucia se inspirou nos figurinos do filme TRON (2009) e Performances do Grupo de Dança japonês Wrecking Crew Orchestra ft. El Squad.

3

Figura 3 – Figurino Filme Tron (Fonte: https://static.cineclick.com.br/sites/adm/uploads/banco_imagens/38/582x0_519ed35900c47.jpg)

4

Figura 4 – Figurino Wrecking Crew Orchestra (Fonte: http://wreckingcreworchestra.com/wp/wp-content/themes/wco/commons/images/home/bg01.jpg)

A pesquisa de Lucia teve pesquisas em movimentos de lutas como capoeira e Kung Fu, além de danças como Ballet Clássico e dança contemporânea. Além disso, Lucia aprendeu técnicas de eletrônica e programação, com auxílio do LHC (Laboratório Hacker de Campinas, SP): “No processo, aprendi a soldar, utilizar multímetro, descobri o que eram datasheet, que bateria usar e com o quê usar e a medida que fui entendendo melhor as restrições técnicas, comecei a fazer os primeiros sketches da roupa-base”.

5

Figura 5 – Esboços iniciais de Lucia na área de eletrônica (Fonte: https://issuu.com/lucianobuyasuguimaraes/docs/lucem)

A partir de então, Lucia deu início ao desenvolvimento do protótipo, utilizando El Wire, Arduino, Módulo Bluetooth HC-06 e até MOSFET, um tipo de transistor; sem esquecer da máquina de costura! Foram desenvolvidos shields com placas perfuradas utilizando estes materiais. A programação foi desenvolvida em Python (Projeto) e Linguagem C (no microcontrolador).

6

Figura 6 – Prototipagem do projeto LUCEM (Fonte: https://issuu.com/lucianobuyasuguimaraes/docs/lucem)

7

Figura 7 – Lucia utilizando um dos modelos desenvolvidos para seu trabalho (Fonte: https://issuu.com/lucianobuyasuguimaraes/docs/lucem)

Lucia fez um ensaio de vídeo e fotográfico para seu trabalho com dançarinos e lutadores, em um espaço chamado Anfiteatro Guilherme R. Ferraz (conhecido como “Guilhermão”) e no Espaço Protótipo, ambos em Bauru, SP. A seguir, uma das imagens espetaculares produzidas com os dançarinos utilizando seus protótipos.

8

Figura 8 – Um dos chamados Mapas invisíveis do projeto LUCEM (Fonte: https://issuu.com/lucianobuyasuguimaraes/docs/lucem)

Para finalizar, Lucia deixa uma mensagem, especialmente para as mulheres: “Espero que mais mulheres participem do movimento maker, pois as mulheres naturalmente pensam e se comportam diferente dos homens para resolver problemas, e a diversidade aumenta as chances de encontrarmos, todos juntos, novas saídas para velhos problemas. Na verdade todo mundo é um pouco inventor, mas a gente considera que ao chegar na idade adulta temos de nos dedicar a somente uma coisa, uma especialidade. Eu não acho saudável alguém ser (vamos exagerar) especialidade em dor na articulação 2 do dedão do pé esquerdo de crianças entre 10 e 1 anos. E, em tempos de crise financeira, enfrenta a melhor quem é multi-tarefa.”

9

Figura 9 – Lucia costurando um de seus protótipos (Fonte: https://issuu.com/lucianobuyasuguimaraes/docs/lucem)

Para quem desejar ver o trabalho completo desenvolvido por Lucia Nobuyasu, confira no link aqui.

Participação em espaços Makers como LHC e outros geram trabalhos sensacionais. O próprio Douglas Esteves foi quem me falou sobre Lucia e seus wearables. Também conhecemos Audrey Oliveira, que desenvolveu projetos juntamente com o Laboratório Hacker de Campinas. Que essa junção de Design, Moda e Mundo Maker tenha inspirado você, seja de qual área for, a desenvolver projetos híbridos (de diversas áreas, inclusive tecnologia).

Eu confesso que sempre aprendo um pouco mais das muitas áreas tratadas nesta série. Hoje, eu aprendi muito com a Lucia e o projeto LUCEM. Wearables é uma área incrível e há muito a ser desenvolvido no Mundo Maker. Que você tenha sido inspirado por tamanha criatividade, persistência e sede de aprendizado que Lucia nos ensinou neste artigo. E que mais mulheres venham cada vez mais se ‘aventurar’ no movimento Maker.

Aguardem novas histórias de mulheres que nos inspiram com sua trajetória e projetos, aqui na Série Garotas Makers, do Embarcados Innovation.

By | 2017-01-27T23:07:59+00:00 agosto 16th, 2016|Artigos|0 Comments

About the Author:

Mestranda em Automação e Controle de Processos, Engenheira de Controle e Automação, Técnica em Automação Industrial, ambos pelo IFSP. Atualmente trabalha como Montadora na Tudela Indústria. Pesquisadora no LABORE (Laboratório de Robótica e Reabilitação do IFSP). Hobbista e Maker, se interessou por Arduino desde 2013, e realizou projetos na área de Wearables voltados para entretenimento. Já realizou palestras e mini cursos em eventos de IoT, Arduino e Tecnologia, no RJ, PE, SP, DF, RS, CE, SC e GO. Articulista do Portal Embarcados, redige artigos sobre Arduino e mulheres na tecnologia. Fã de Angry Birds :D

Compartilhe com um amigo