Garotas Makers – Parte 4

//Garotas Makers – Parte 4

Garotas Makers – Parte 4

No terceiro artigo da série Garotas Makers, vimos a história da Thainá Moraes, que entrou para a área de exatas e engenharia após o curso Técnico em Telecomunicações. Desta vez, vamos falar de uma garota que desde a infância já tem inspirações makers em sua família. Hoje é a vez de falar da Carolina Darski.

1

Figura 1 – Carolina Darski (Fonte: Arquivo Pessoal Carolina Darski)

Carolina Torres de Oliveira Darski tem 22 anos, mora em Canoas-RS, graduanda em Ciências da Computação pela Unisinos e desenvolvedora na SAP Labs Latin America. Ela diz que sua chamada Maker é desde a infância, onde via seu pai, mexendo com placas: “…ADORAVA ver meu pai, que é técnico em eletrônica, mexer com todas aquelas placas e me mostrar quando consertava nossos carrinhos de brinquedo e controle remotos (sim, eu e a minha irmã fomos criadas boa parte da infância com autoramas, carrinhos e legos ao invés de bonecas). Achava aquilo o máximo!”

Já podemos perceber que a infância de Carolina não teve daquelas falas clichês de ‘coisa de menino’ e ‘coisa de menina’.

Depois, ela fez o curso Técnico em Informática aos 14 anos e gostou muito de programar, porém seu lado maker ficou um pouco esquecido. Quando entrou na faculdade, Carolina sentiu necessidade de fazer um driver para acender led através de uma porta serial: “…Aprendi a soldar nesse projeto, com o meu pai sempre me ajudando…”

Carolina conheceu a plataforma Arduino cerca de um ano após o projeto da faculdade, numa competição de inovação na empresa onde trabalha: “Eu e o meu time criamos uma roupinha inteligente para bebês que monitorava alguns sinais vitais através de um Arduino Yún, Nano e sensores.”

2

Figura 2 – Projeto Roupinha inteligente para bebês (Fonte: Arquivo Pessoal Carolina Darski)

Após a descoberta da plataforma Arduino, Carolina passou por problemas familiares, envolvendo seu avô, que possuia muitos problemas de saúde e acabou não resistindo, início de 2015: “…eu vivenciei o dia a dia de um hospital por pelo menos 5 dias enquanto ele estava na emergência , sem contar as outras idas dele durante 8 anos”.

A situação da organização hospitalar a deixou tão revoltada, que ela teve a ideia de fazer seu TCC voltado para a área de saúde: ”Isso foi bem na época que eu estava começando a escrever a minha proposta de TCC, como eu estava bem revoltada em relação a desorganização do hospital que ele estava e da quantidade de trabalho manual que poderia ser automatizado.”

Foi desenvolvido um protótipo utilizando Arduino, Sensor de temperatura, RFID, sensor de pulso e acelerômetro, onde era mostrado em tempo real os dados do paciente. Estes dados eram enviados para Nuvem e consumia em uma aplicação criada por Carolina. O RFID servia para fins cadastrais para visita ao paciente: “…e ao cadastrar, já eram considerados os dados vitais no momento da visita, e depois somente preenchiam os dados necessários: se houve medicamentos e observações.”

3

Figura 3 – Projeto Monitoramento Sinais Vitais(Fonte: Arquivo Pessoal Carolina Darski)

Após muita insistência de um amigo, Carolina submeteu duas palestras para a The Developers Conference Porto Alegre, para que ela explicasse as dificuldades de conexão do Arduino Yún na rede e projetos de IoT. Ela não achava que tinha conhecimento suficiente para palestrar: “na realidade o passo de ter dado essa palestra me empoderou de uma maneira linda e me deu mais vontade ainda de criar outros projetos pra poder compartilhar com o mundo…”

A palestra Como enviar dados pelo arduino para a nuvem? foi aceita na trilha Arduino e Makers, pela Desiree Santos, coordenadora da Trilha. Carolina diz: “foi lindo de ver tb as meninas dominando a trilha maker, além da minha palestra, teve a da Alice e da Gedeane que mostraram projeto lindos de wearables que foi onde eu despertei a vontade de vez de comprar um Lilypad”.

4

Figura 4 – Palestra TDC POA (Fonte: Facebook Carolina Darski)

Para mim, particularmente, foi uma experiência TRI LEGAL estar com muitas gurias que sabem fazer tecnologia, numa trilha de Arduino. Em seguida, um registro nosso ao final da trilha (faltou nossa querida coordenadora da trilha, Desiree):

5

Figura 5 – Marcela Santos, Carolina Darski, Gedeane Kenshima e Alice Wiener (Fonte: Arquivo Pessoal Gedeane)

Após este Projeto, Carolina conheceu a Lilypad Arduino e desenvolveu uma camiseta que troca as cores dos leds conforme batimento cardíaco. Ela confessa que faz soldas melhores que costura (eu também sou assim, risos): “e a costura ficou uma porcaria pois se for comparar a skill de costura x solda, eu soldo melhor :P”

6

Figura 6 – Projeto Camiseta com Lilypad (Fonte: Arquivo Pessoal Carolina Darski)

Além deste projeto, junto com alguns outros protótipos feitos por Carolina, ela os apresentou em uma conferência na Alemanha, da empresa onde trabalha.

Atualmente, Carolina está realizando uma pesquisa e já adquirindo alguns materiais para fazer uma automação residencial em seu apartamento: “vai ser o projeto mais amor que fiz até agora hahaha”.

O empoderamento de Carolina à cultura Maker veio do apoio dado por colegas e principalmente de seu pai, e agora ela se dedica a estar em eventos e empoderar outras mulheres: “…agora no momento estou participando de todos os eventos que posso para empoderar meninas como makers ou desenvolvedoras, pois ver a cara das meninas quando um led acende ou um código funciona vale mais do que qualquer coisa no mundo! É uma felicidade que não cabe dentro de mim 🙂 “.

7

Figura 7 – Carolina fazendo projeto Roupinha Inteligente (Fonte: Arquivo pessoal Carolina Darski)

Esta foi mais uma história inspiradora, mostrando que as mulheres também fazem projetos muito legais na área Maker. Esta história te motivou a voltar a mexer com programação e/ou eletrônica? Ou quem sabe motivou você a criar seus próprios projetos? Ou talvez fazer algo na sua empresa ou faculdade? Comente e compartilhe suas experiências!

Para mais informações de Carolina, acesse sua página no LinkedIn aqui.

Já contamos quatro histórias inspiradoras de garotas makers, de várias idades, lugares e cursos  diferentes. E ainda falta mais uma história, que contaremos um pouco no próximo post, aguardem o próximo capítulo 😉

By | 2017-01-27T23:08:03+00:00 Março 23rd, 2016|Artigos|1 Comment

About the Author:

Mestranda em Automação e Controle de Processos, Engenheira de Controle e Automação, Técnica em Automação Industrial, ambos pelo IFSP. Atualmente trabalha como Montadora na Tudela Indústria. Pesquisadora no LABORE (Laboratório de Robótica e Reabilitação do IFSP). Hobbista e Maker, se interessou por Arduino desde 2013, e realizou projetos na área de Wearables voltados para entretenimento. Já realizou palestras e mini cursos em eventos de IoT, Arduino e Tecnologia, no RJ, PE, SP, DF, RS, CE, SC e GO. Articulista do Portal Embarcados, redige artigos sobre Arduino e mulheres na tecnologia. Fã de Angry Birds :D

  • Euclides Rezende

    Esta história me arrepiou aqui. Deu até vontade de nascer de novo.

Compartilhe com um amigo