Garotas Makers III – parte 4

//Garotas Makers III – parte 4

Garotas Makers III – parte 4

Tem pessoas que são movidas pela vontade de conhecer e aprender. E é isto que um Maker é, um descobridor de novas possibilidades e uma mente bem criativa. Assim é a Audrey, a garota Maker da vez, que vamos conhecer hoje!

Audrey Malone Alencar Oliveira tem 24 anos, natural de Montes Claros – MG, atualmente mora em Campinas – SP, onde cursa o Mestrado em Ciência da Computação (Unicamp). É formada em Engenharia da Computação pela Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros.

1

Figura 1 – Audrey Oliveira (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Desde os 15 anos, Audrey tem se dedicado em aprender sobre computação. Sua intenção inicial era aprender a formatar um computador, coisa que não era tão difundida na época. Após ingressar num curso de Manutenção de micros, ela quebrou um paradigma que tinha em mente: “…acabou com aquele tabu que existia na minha cabeça de que consertar máquinas era coisa de menino”.

Além do curso de manutenção de computadores, Audrey se dedicava juntamente com um grupo de meninas em um blog chamado tocomtedio.com. Ter um blog na época era algo muito divertido, pois não existia a explosão das redes sociais. Para edição do blog, ela aprendeu sobre HTML, Photoshop, Corel Draw entre outros. E além de aprender muito com este grupo, mantém um círculo de amizade até hoje.

Audrey ingressou na faculdade com 18 anos e procurou fazer uma iniciação científica. Ali ela teve sua primeira experiência como Maker, pois entrou na engenharia “completamente crua”: “…eu era totalmente crua na engenharia e via meus orientadores vislumbrando construir coisas, e achava aquilo lindo! De pouco a pouco, fui vendo que construir coisas era completamente possível e não era uma realidade de grandes empresas nos grandes centros, mas bastava estudar, projetar, e empreender”.

2

Figura 2 – Projeto de Iniciação científica de Audrey (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Em 2011, Audrey participou da LatinoWare e lá teve seu primeiro contato com Arduino. Após participar de algumas palestras, ela começou a utilizar a placa em projetos da faculdade e em casa: “Também fazia montava alguns projetos para  uso próprio,  juntamente com alguns colegas  a fim de aprender mais sobre o Arduíno. Desenvolvemos um sistema de irrigação, usamos IoT e montamos um App para controlar pequenos eletrodomésticos, e alguns outros dispositivos. Nesses projetos descobri que criar nossos próprios sensores com algo que temos em casa também pode ser muito legal e construtivo”.

3

Figura 3 – Projeto de Sistema de Irrigação (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

4

Figura 4 – Desenvolvimento no App Inventor do projeto Luminária interativa (Fonte: Arquivo Pessoal Audrey Oliveira)

Com estes projetos Audrey conheceu o Arduino Lilypad, a partir daí começou a pesquisar sobre ele e suas aplicações. Ela sentiu grande dificuldade em conseguir materiais, pois morava longe de grandes centros com lojas especializadas. Inclusive em 2015, Audrey palestrou sobre a Lilypad no Arduino Day:

5

Figura 5 – Apresentação de Audrey no Arduino Day 2015, em Janauba – MG (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Na 2a edição da Conferência Bsides 2015, Audrey assistiu uma palestra que fiz sobre Wearables (tá, eu sempre falo dos Wearables kkkkkk <3). Ao final do evento, ela tirou uma fotografia comigo e a minha Coroa com leds endereçaveis.

6

Figura 6 – Suzana Mota, Rodrigo, Gedeane e Audrey, após palestra no Bsides 2015 (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Após a formatura, Audrey se mudou para Campinas para fazer o mestrado na Unicamp. E em Campinas ela conheceu o pessoal do LHC, um Hackerspace muito legal (eu preciso conhecer o espaço, mas conheço alguns integrantes, Douglas e Minatel). Em 2016, Audrey se apresentou no Arduino Day do LHC:

7

Figura 7 – Apresentação de Audrey e suas Amigas Paloma Dias e Suzana Mota (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Audrey explica um pouco sobre o projeto: “Nesta cafeteira implementamos pregos como sensores de umidade para tratar de conceitos da física ( corrente elétrica). No aplicativo utilizamos o app inventor, uma forma fácil de programar como forma interativa de tratar a programação e lógica de programação”.

E ela deixa um recado para o pessoal do LHC: “Desde que apresentei o Arduino day no LHC, o pessoal tem me ajudado bastante, são ótimos, os encontros lá acrescentam muito…eu queria agradece-los porque são bem atenciosos, ajudam a gente no que precisa, nos meus projetos atuais são meu melhor apoio”.

O enfoque de Audrey agora é ensinar e motivar adolescentes nas áreas de Cálculo, Física e computação. Com a plataforma Arduino, ela busca metodologia para que jovens absorvam estes conceitos. Além disso, ela está num projeto de Startup com sua amiga Suzana.

Para finalizar, Audrey deixa uma mensagem: “Ser uma maker é aprender, é inovar, é criar, se divertir e no fim poder contribuir de alguma forma para melhorar a vida das pessoas. É importantíssimo difundir o conhecimento para que possamos ter uma comunidade cada vez maior e integrada! Acredite na sua capacidade. Cresça com os erros. Aceite os desafios”. A seguir, Uma imagem de Audrey em um dos momentos mais significativos: a desejada formatura:

8

Figura 8 – Audrey em sua formatura (Fonte: Arquivo pessoal Audrey Oliveira)

Vimos aqui que o desejo em conhecimento pode te levar muito além. A vontade inicial de Audrey de apenas saber formatar um computador a levou a tornar-se uma Maker e ingressar na faculdade e mestrado. E agora ela deseja transformar conhecimento em negócio e tambem repassar o que aprendeu de uma maneira didática e atrativa aos adolescentes.

Espero que a história de Audrey tenha motivado você a conhecer mais sobre a área Maker e principalmente buscar conhecimento, seja sozinho ou em grupos, hackerspaces e afins. E que venham novas histórias de meninas que, como ela, desejam trazer conhecimento às pessoas. Aguardem novas histórias da série Garotas Makers!

By | 2017-01-27T23:08:01+00:00 junho 28th, 2016|Artigos|1 Comment

About the Author:

Mestranda em Automação e Controle de Processos, Engenheira de Controle e Automação, Técnica em Automação Industrial, ambos pelo IFSP. Atualmente trabalha como Montadora na Tudela Indústria. Pesquisadora no LABORE (Laboratório de Robótica e Reabilitação do IFSP). Hobbista e Maker, se interessou por Arduino desde 2013, e realizou projetos na área de Wearables voltados para entretenimento. Já realizou palestras e mini cursos em eventos de IoT, Arduino e Tecnologia, no RJ, PE, SP, DF, RS, CE, SC e GO. Articulista do Portal Embarcados, redige artigos sobre Arduino e mulheres na tecnologia. Fã de Angry Birds :D

  • Camillo Ernesto Alves Agoglia

    Ce tá doido!
    Essa foi minha colega de trabalho, =D

Compartilhe com um amigo