Garotas Makers II – Parte 1

//Garotas Makers II – Parte 1

Garotas Makers II – Parte 1

Iniciamos a série Garotas Makers com cinco primeiros artigos falando de garotas que fizeram a diferença, com sua força de vontade, iniciando os primeiros passos no mundo maker, criando projetos e protótipos sensacionais, entre outros. A proposta inicialmente era homenagear estas Makers no mês de Março, quando comemoramos o dia internacional da mulher, porém a repercussão dos artigos foi tão legal que convidamos outras mulheres para falar sobre sua trajetória maker. Neste artigo, falaremos de Thallyta, estudante de Engenharia Elétrica, que desenvolveu projetos ligados à área de robótica.

1

Figura 1 – Thallyta Cristina (Fonte: Arquivo Pessoal Thallyta Cristina)

Thallyta Cristina Pedroso tem 25 anos, mora em Guaratinguetá-SP e desde sua infância é apaixonada por robótica. E já tinha aquela curiosidade desde criança para saber como funcionava os equipamentos: “Ainda consigo me lembrar dos aparelhos eletrônicos que destruí para ver o que tinha dentro e para, em minha inocência de criança, tentar entender seu funcionamento.”

Por gostar tanto da área de Robótica, Thallyta ingressou no Curso Técnico em Eletrônica pelo CTIG-UNESP, em seguida no Curso de Engenharia Elétrica pela UNESP de Guaratinguetá. Na faculdade, ela conheceu a equipe FEG-Robótica e se encantou: “… fiquei super encantada pelo trabalho e proposta da equipe, poxa, é uma equipe que faz robôs, tem algo mais legal que isso?”

2

Figura 2 – Equipe FEG-Robótica 2015 (Fonte: Arquivo Pessoal Thallyta Cristina)

Ela ingressou na equipe no segundo ano da sua graduação, e atua na eletrônica dos robôs. Estes robôs são autônomos, da categoria Sumô, os quais devem encontrar seu adversário e colocá-lo para fora da arena, porém não deve sair das limitações de espaço desta arena.

3

Figura 3 – Robô Lobo em competição (Fonte: Arquivo pessoal Thallyta Cristina)

Interessante é que os robôs possuem grande força. Um robô de sumô de 3 kg consegue empurrar uma pessoa de 50kg!

Thallyta atua no desenvolvimento da eletrônica que suporte altos picos de Corrente, devido à reversão de motores. Há o desenvolvimento de hardware, pesquisa de componentes usados, impressão da PCI (placa de circuito impresso), soldagem dos componentes e finalmente as etapas de testes.

4

Figura 4 – Thallyta realizando testes de potência (Fonte: Arquivo pessoal Thallyta Cristina)

Ela resume seu trabalho na equipe: “Em resumo meu trabalho é ajudar no desenvolvimento da placa que receberá o programa para o controle autônomo do robô e a placa que acionará os motores, dando a potência necessária para que ele seja forte e rápido e mandar para fora da arena nossos adversários.”

Nos projetos, um dos maiores desafios é escolher sensores rápidos de detecção dos adversários, enquanto há o giro do robô em alta velocidade em torno do prórpio eixo. Estes motores possuem alto torque, portanto as baterias para o projeto precisam ser suficientes para fornecer corrente adequada.

A equipe FEG-Robótica não realiza somente o trabalho com os robôs, eles possuem um trabalho social envolvendo trabalhos com robôs de LEGO para crianças. Eles realizam também a divulgação da robótica em escolas da rede pública.

5

Figura 5 – Trabalho com crianças e Robô com LEGO (Fonte: Arquivo Pessoal Thallyta Cristina)

No quinto ano de faculdade e quarto participando da FEG-Robótica, Thallyta reconhece a importância da robótica em sua vida: “…quando olho para trás consigo ver a grande carga de conhecimento que adquiri e ter a certeza que robótica sempre fará parte da minha vida. “

6

Figura 6 – Thallyta e o robô Metalgarurumon (Fonte: Arquivo pessoal Thallyta Cristina)

Vimos aqui que é possível ser competitivo e fazer a diferença por onde passamos. Que podemos estar entre homens e mulheres e dar o melhor da gente. E ainda inspirar quem conhece nossa história.

E você? Se inspirou a conhecer mais sobre robótica conhecendo a história da Thallyta? Ou talvez queira se envolver com projetos sociais, para espalhar mais da cultura maker? Ou até mesmo participar de grupos da sua faculdade? Que esta seja mais uma história de uma garota maker que traga inspiração para você iniciar ou prosseguir com seus projetos. E que venham mais histórias tão inspiradoras como esta!

By | 2017-01-27T23:08:03+00:00 Abril 10th, 2016|Artigos|0 Comments

About the Author:

Mestranda em Automação e Controle de Processos, Engenheira de Controle e Automação, Técnica em Automação Industrial, ambos pelo IFSP. Atualmente trabalha como Montadora na Tudela Indústria. Pesquisadora no LABORE (Laboratório de Robótica e Reabilitação do IFSP). Hobbista e Maker, se interessou por Arduino desde 2013, e realizou projetos na área de Wearables voltados para entretenimento. Já realizou palestras e mini cursos em eventos de IoT, Arduino e Tecnologia, no RJ, PE, SP, DF, RS, CE, SC e GO. Articulista do Portal Embarcados, redige artigos sobre Arduino e mulheres na tecnologia. Fã de Angry Birds :D

Compartilhe com um amigo